Associação dos Municípios dos Campos Gerais

AMCG Esporte AMCG Campos Gerais AMCG Cultura AMCG Damas AMCG Meio Ambiente
Buscar

Notícias

Região conta com capacitação para parcerias na saúde

Após capacitar gestores na área de Educação, o Programa de Educação Continuada, promovido pela Associação dos Municípios do Paraná (AMP) com o patrocínio da Itaipu Binacional, realiza em Ponta Grossa nesta segunda e terça-feira evento com foco voltado a área da saúde. Em parceria com a Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG) e com o Sebrae, a entidade traz nova capacitação que trata das parcerias no Sistema Único de Saúde (SUS), termos de colaboração, judicialização, financiamento e regionalização na área. “O Programa de Educação Continuada conta com três eixos. Já finalizamos o da Educação, agora estamos em fase final na área da saúde e no próximo ano trataremos da Governança Municipal”, conta a assessora jurídica da AMP, Francine Frederico.

A assessora destaca que as capacitações na área da saúde estão sendo realizadas com o apoio e participação das Regionais de Saúde do Estado e do Conselho de Secretários Municipais do Estado (Cosems). “Fazemos em alguns municípios pólo, mas com convite para todos os 399 do Paraná”, destaca.

Nesta segunda-feira, o advogado Fernando Borges Manica tratou sobre modelos de parcerias que podem ser feitos na área da saúde. “Um dos principais desafios da administração pública na atualidade é dar conta de atender a população na área. É o setor que tem maior insatisfação popular, maior intensidade tecnológica e que mais consome recursos”, avalia o palestrante. Além disso, Manica destaca o papel da população que, cada vez mais, está se conscientizando e vem cobrando mais do poder público.

Por conta de todos estes desafios, o advogado destaca a importância de se utilizar os modelos de parcerias privadas para a prestação de serviços de saúde, como  as terceirizações, as Parcerias Público Privadas e as Parcerias com o Terceiro Setor. “O setor de saúde não funciona sem a utilização destes modelos”, aponta, mostrando dados de que o orçamento destinado à saúde no Brasil é ínfimo, se levarmos em conta o direito constitucional de todos à saúde pública. “No ritmo que estamos, a saúde vai consumir orçamento do Estado todo”, adianta.

Para o especialista, apesar de necessários, estes modelos são pouco utilizados, por conta de desconhecimento. “Há muitas críticas quando o assunto é privatização”, aponta, completando que elas se devem ao mau uso. “Quando mal utilizado esse modelo piora os serviços públicos e gera corrupção”, dispara.

De acordo com Manica, há um contra senso no que vem ocorrendo nos municípios na área da saúde. “Está se fortalecendo os municípios, imputando a eles cada vez mais serviços. Mas não dão condições financeiras necessárias para isso”, finaliza.